Léa Ferro ~ Arpoador: Contos e Poesias
"A noite é o silêncio que cala o olhar dos amantes!" Léa Ferro 1994
Capa Textos E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Contato Links
Hera das Eras:
Poemas de Léa Ferro..
..por heterônimo de Hera Ravenna!


1 - A vida brada pela vida:

Mergulhamos em nossa própria dor
Esquecemo-nos de olhar ao redor
Somos cúmplices da miséria gélida
Da dor contida nos olhos de crianças
Que não tem inocência, não tem sonhos
Não tem esperança, não tem um futuro.

Mergulhamos em nossa própria dor
Como se nada mais estivesse a passar
Mergulhamos e morremos afogados
Na nossa ignorância desatinada e cruel
Calamos, esquecemos, deixamos, ...
Calamos!

Por quê?
Se o silêncio grita desesperado aos nossos pés!
Por quê?

Hera - Abril de 2007.


2 - Em preto e branco:

Luz que atravessa matas
que confunde as crianças
que semeia nas águas
uma força sobrenatural
de encanto... Canto
quando caem folhas
e caminho
observando o céu
na ausência
e no bailar
da esperança!

Hera R. 03/04/2007.


3 - Ao pé do mar:

Ao pé do mar
Mora o amor
Amor das águas
Do canto alegre
Dos olhos vivos
Da força bela
Da bela flor.

Ao pé do mar
Mora a esperança
Mora o caminho
Mora o brilho
Mora o terno
Mora o amor.

Ao pé do mar
O teu amar
Amor sem fim
Ficou em mim!

Hera R. 08/04/2007


4 - Em verdades:

Minh'alma
canta
toda nua
pela rua
não chora
nem ri
Minh’alma
no vazio
de um rio
esquenta
e em tormenta
Minh’alma
pergunta:
_ onde andará Deus?

Será que na fé?
Será que no amor?
Será que no céu?
Será que na dor?

Onde andará...
onde andará...

toda a certeza,
que me deu?

Onde andará o sol?
Porque não sou ateu?
Onde andará a força?
Onde andarei, Eu?

Hera R. Aos 28 de Março de 2007. Além mar..


5 - Tu:

Tu...
Que em minha porta bateu
Numa tarde terna e fria
Num sorriso, convidou-me
E ao café contigo, eu fui
Lembro-me bem, amor
O agasalho em teus ombros
A porta do carro abri
Teus pés delicados e alvos
Tocaram o solo fértil
Num bailar tão sensual
Tu deslizou ao lado meu.

Tu..
Que outras vezes voltou
Convidando-se a dançar
Deixou-se assim... Levar
e...
Em tua cintura segurei
Em meus passos te embalei
Após dedilhar a canção
Após tuas delicadas mãos
Minha face, afagar
Eu despi-me... De tudo e nada
Toquei tua pele, teus lábios
E em teus beijos, meus lábios
Mergulharam sem pressa, assim
Como o vôo da Gaivota Azul
Sobre os mares, sob o sol
Mergulhou minh'alma em ti
Flutuando, levemente...
Nossos corpos doces, nus
Navegaram em tom de luar.

Tu... Que o mundo me deu
Tu... Que meu mundo, mudou
Tu...
Doces lábios, feiticeira
Voa bem alto de encontro
Ao abraço meu, por ti
Tu...
Que em minha porta bateu
Tu..
Que outras vezes voltou
Fez de mim pássaro ao vento
Atravessando o oceano
Enfrentando céus e glórias
Pra de amor despertar
Pra n'outra vida nascer
E em teu louvar, eu ficar!

Tu...
Que eu amo.. Tanto

Hera R. 01/02/2007


6 - Depois:

Sou um pássaro
que medo teve de voar
um pássaro perdido
pássaro azul apaixonado
triste, com dor..
os olhar distante
querendo tanto amar
o amor, o suor
querendo saltar
e no céu azul
com outro pássaro
estar!

Hera R. 19/01/2007.


7 - Poema amigo, ao amor:

Se a febre
é breve
no poema
da dor
d'amor
fica o carinho
pássaro ao ninho
da amizade
de verdade
do esplendor
que em ardor
clamou!

Se é febre
é no casebre
que se faz
em paz
mil rimas de amor
nova cor
nos ares
pelos bares
arco-íris
tua íris
na face
repasse
meu abraço
de aço
ao amigo
que comigo
ficou!

Febre e calor
fazem da flor
dias de sol
mar e farol
sombra e água
planeta água
planeta amigo
que consigo
caminhou!

... E o amigo
sempre comigo
no abraço
que em teu traço
revelou!
... E o amigo
ora abrigo
ora descanso
no mar remanso
ora presente
sempre valente
me abraçou!
... E o amigo
traz-me o trigo
e na emoção
reparte o pão
pois foi comigo
que riu e chorou!

... E o amigo
sempre comigo
deu-me a verdade
pois a amizade
é o mais belo amor
andorinha, beija-flor
que em teu braço
em teu abraço
Repousou!

Hera R. 14/01/2007!


8 - Há tempos:

há tempos o som
vem na voz dizer
vem no tom cantar
tua tristeza
sob a imperfeição
e tuas mãos gritam
como as minhas
no agora que implora
pelo teu olhar...

há tempos o sol
escondido, acuado
tenta nos mostrar
que é paz na sensação
e se é dor que sente
deixa a gente amar
mais uma vez
deixa a gente viver
porque viver
é o meu altar..

há tempos um Deus
vem de longe observar
que há verdade
no paraíso
que há história
na lente
no espaço
no ar.

há tempos
já nem sei viver
já nem sei chorar
já nem sei de mim..

há tempos
já nem há
tanto tempo..
..assim!

Hera R. 31/12/2006


9 - Presente e Grão:

A vida me deu de presente
essa dor, essa esquina
contando passos na rua
sou fogo, sou água,
sou pó e sou chão
vem o vento madrugar
meus olhos tristes
em ebulição
amor, não te direi
das estrelas de terra
das rosas vermelhas
do sol de verão
não vou dizer por ai
a qualquer hora
histórias vividas
e sonhos em vão
pois a vida veio
e me deu de presente
a dor, a esquina,
o pó e o grão!

Amor, amor, amor,
entenda meus olhos
são teus...
e são minhas
as tuas mãos!

Hera R. 31/12/2006


10 - Pulso:

Pulsar.
Pulsa, o pulso
no alto som
pulsa o olhar
quase um dom
este pulsar
pulsa avulso
a dor, o respirar
como é bom
num impulso
este palpitar!

Se a morte pulsa:
- a alma pulsa
- a vida pulsa
- a boca pulsa
- a mão também pulsa
ao poema, dedilhar!

Hera R. 16/12/2006


11 - Etérea:

Etérea alma
na força de luz
no barco
que o tempo levou
tão longe as águas
tão fiel oceano
e o mar
maior que eu
maior que tu
etérea alma
que te prendes
a beira do cais
mas só queres
voar ao léu
etérea alma
das forças
de paz
te rompes
do cordão de prata
pra te abrigar
junto ao céu!

Hera R. 26/12/2006


12 - Quimeras:

mais do encanto
que quimeras
hão de viver
doce pranto
tu quiseras
fenecer

crava a lua
céu de verão
se anuncia
vazia a rua
que a paixão
invadia

boca vazia
na imensidão
pele nua
beijo sacia
na explosão
na ira tua
me querer

hoje sincera
sabe-se tanto
é tanto querer
quem me dera viver, quem me dera
num estanco!

Mais do encanto
quem me dera
em tempo viver
sem agonia
ser a canção...
estrela e lua!

Hera R. 26/12/2006


13 - Voa:

Pássaro...
saindo da fria gaiola
corre, para ver o mar
às embarcações, as flores
ver outros pássaros a voar!

Então...
o céu azulado canta
as nuvens de algodão flutuam
os ventos refrescam o dia
a tarde amena faz-se na cor
não é arco-íris, ainda..
mas, breve a chuva o trará!

Quem sabe...
quando as almas voarem
quando a relva respirar
quando o sol se pôr...
outros pássaros
hão de chegar!
Quem sabe..

Hera R. 15/12/2006


14 - [Rae, May]

Páginas, livro em branco...
O pássaro há de escrever
Mesmo que num estanco
Se permita adormecer
Um doce carinho franco
Há de lhe devolver
O grito e o solavanco
Das asas a nos envolver
Voa do cais para o banco
Pra no amor renascer!


15 - [Lith do Riacho]

Lith.. Do Riacho
Das águas azuis
Das flores anil
E gotas de orvalho
Nos raios de sol!
Lith.. Do Riacho
Água, que deságua
Em re-construção
No solo fértil
Lá de cima do rio
Ao rio abaixo!
Lith.. Do Riacho
Percorrendo o céu
Descobrindo a margem
Invadindo em som
Melodia em saudação
Ao pôr-do-sol!


16 - [Lith 2]

Linda tu és, doce flor
Intensa na breve melodia
Tarde terna em teu favor
Hoje por ti, se faz magia!

Desce às margens, esplendor
Ouvindo a paz que te alivia!

Rente ao céu o teu calor
Invade a noite e o dia
Alma branda se faz fervor
Contando estrelas alegria
Hoje a vida te traz amor
Ondas do mar em calmaria!

Hera R. 14/12/06


17 - [Marli]

Sorriso de lua
Nos olhos de flor
Passeando na rua
Um dia, o amor
Bate a porta, tua
Quando o sol, se pôr
Tua alma, toda nua
Despida na lágrima dor
Abraça e se acentua
Uma história de amor!

18 - [...]

Já foi a madrugada
Vem o dia a nascer
Breve a passarada
Traz teu bem querer
Coração em disparada
Faz-te enlouquecer
Como em contos de fada
Tem magia e o viver
Tua doce chegada
Fez a vida engrandecer
Na flor que semeada
Amizade fez colher!


19 - [Sensitive]

Sen..
Sensível..
Incrível..
Amável..
Mulher adorável
Do sorriso em bom dia!
Alma azul em melodia!
Bom te ver
Bom te saber
Cantando..
Dançando..
Amando..
..A vida em alegria!


20 - [Lis Fontes]

Flor de lis*, azul, lilás..
Sentada, a beira do cais..
Que os pássaros, amarelos..
Cantem por ti, singelos!

Hera R. 14/12/06


21 - Pela vida:

a vida engole a vida
água torrente, fria
descendo a serra
a vida engole a gente
deixa-nos dormente
sorte
é se lançar ao ar
ir além, acreditar
imenso, o azul do mar
ondas, ventos, água
os pássaros em repouso
não cessa a chuva
e lá fora venta
a palmeira balança
o bem-te-vi reclama
e a vida...
a vida engole a vida!

Hera R. 13 de Dezembro de 2006!


22 - Atlântico:

se é manhã..
por que o sol não nasce
por detrás das montanhas
nas muralhas do atlântico
por que não cantam alegres
os pássaros na aroeira
por que não fazem brilhar
as flores da primavera

se é manhã..
por que não desperto pra luz
na alegria de um bom dia
no azul cristal de um novo céu
na maresia da onda perfeita
na terna areia fina da praia
no beijo doce da criança

se é manhã..
se é manhã..
se é manhã..
cadê o sol, cadê?

Hera R. 14/12/2006


23 -Febre:

Queima pele clara
Febre
Olhos rasos d'água
Coração malvado
Bate descompassado
Os pássaros voam
As borboletas pousam
O mar baila na areia
Pés descalços
pôr-do-sol
E a febre arde...
A face
A pele
A boca
A mão
Arde o sol de verão
Arde o lençol
Os olhos cerram
As borboletas pousam
As flores pulsam
O céu abre espaço
Às estrelas
E a febre arde
A alma
A dor
O ardor da canção
E a pele arde
Outra pele invade
Na voz da paixão!

Hera R. 09/12/2006


24 - Eterna Primavera:

Nunca se acaba a doce e tenra primavera,
por mais que seja frio e forte o inverno,
por mais que o verão castigue em calor,
por mais que outono lance as folhas ao chão..
Sempre haverão flores a colorir,
perfumes a embriagar,
pétalas a encantar,
saudades a recordar,
Nunca se acaba a primavera,
independente das estações,
flores trazem vida e glória,
fazem sonhar na esperança,
seja no jardim ou no simples vaso
a beira da janela em frente ao oceano!
Flores vibram como os pássaros no céu,
flores vivem em solo fértil em melodia,
flores fazem-nos viver na alegria,
flores sentem as águas na raiz firme,
flores alimentam o beija-flor azul,
flores são o repouso das borboletas!
E não importa se o Sol está presente
E não importa se hoje não tem luar
Sempre haverá o brilho incansável
Da doce e Eterna Primavera a florir!

Hera R. 30/11/2006


25 - Em céu:

Não voa o pássaro
suas asas estão
molhadas da chuva
pesadas, feridas
não voa o pássaro
pássaro azul
no infinito
fecha os olhos
tenta ver o sol
atrás das nuvens

Hera R. 27/11/2006


26 - Risca-se o papel:

O coração
risca o papel
em branco
e deixa
nas linhas
uma poesia
uma flor
uma luz
melodia
de amor!

Hera R. 21/11/2006


37 - Se:

Como é possível..?
Eu, por vezes
Pergunto-me:
Como é possível?
Como é possível tamanha cumplicidade,
ternura,
loucura,
paixão!


Então...
permitimo-nos,
entregamo-nos,
deixamo-nos,
delirar...
na delicia da tua sede,
na loucura da minha saudade,
eu sinto teus olhos,
eu vejo teu rosto,
eu ouço tua respiração,
eu mergulho
nos teus suspiros
e faço amor
em contemplação!

Tua pele minha,
minha pele tua,
envoltas
no oceano da saudade
e paixão!

Querendo-te
e te amando
de alma,
corpo e
coração!
Enfim!

Hera R. 19/11/2006


28 - Céu leve:

Num céu leve e brilhante
o pássaro azul alça vôo
é manhã, doce manhã de fé
um ponto amarelo se faz forte
ensolarado o dia ameno
Num céu leve e brilhante
o pássaro azul bate asas
respira fundo na glória
de ter o vento sobre a face
enche os pulmões juvenis
e sente a brisa suave
abandonando-se ao longo
do oceano terno e fiel
Num céu leve e brilhante
o pássaro azul mergulha
sente os olhos fascinados
pela paisagem à volta
e suspira tranqüilo
indo ao repouso na árvore
que lhe abriga em sombra fresca!

Hera R. 16/11/2006


29 - AMO AS PALAVRAS:

Folha em branco, macia... Que eu AMO
Tinta negra, pena leve, rabisque-AS
Faz-se o poema, no trovão em PALAVRAS

Hera R. 16/11/2006



30 - Tornado:

Sou um tornado africano!
Sou a relva,
sou o Sol,
sou a tempestade,
sou a calmaria!
Mas,
também sou um pássaro,
posso ser o arco-íris
nas tardes de verão,
posso ser o mar
que se envolve
nas macias areias
que desperta
a imensidão!
Também sou pássaro,
um pássaro azul
sobre o aveludado
tapete as águas!

Hera R. (13/11/2006)


31 - Após o bar:

Vou caminhando
Sapatos nas mãos
Cabelos esvoaçados
Olhar sonolento
Vejo a Lua despertar
Imagem de contemplação
Caminhando sem pressa
Apreciando as estrelas
Sentindo a noite
Envolver-me no perfume
Fecho meus olhos
Respiro fundo
E deixo-me levar
A noite é mãe
É dona do meu ser
A noite é magia
E, após o bar
Após o vinho
Após a dança
Após o olhar
Quero apenas
O abraço envolto
A minha face d'amor
Apenas!

Hera R. (13/11/2006)


32 - Palavras:

Já não sei de palavras
se as mesmas me fogem
já não sei de música
se a mesma se afaga
já não sei do vento
se o mesmo é forte
já não sei do viver
se vivo apenas por ti!

Hera R. 12/11/2006


33 - Sou:

Sou um pássaro...
Asas machucadas,
olhar em solidão...
Sou um pássaro...
querendo voar
em campo aberto,
sentindo o perfume
do oceano,
sentindo as gotas
do sol
derramar-se
em minha face
Sou um pássaro
com as penas úmidas,
pesadas...
querendo saltar
da montanha,
observando
o colorido
das flores,
conhecendo
novos ares,
mergulhando
no ar
com imensidão
Sou um pássaro
que perdeu
a rota de vôo
e agora,
já nem sabe
se encontrar...
Sou um pássaro,
na manhã
cinzenta,
querendo
atravessar
as nuvens,
para descobrir
o sol!
Sou um pássaro
que tenta
sentir na pele
o dia,
mas,
que teme
a madrugada!

Hera R. 11/11/2006


34 - Aurora:

Então hoje...
O céu chora
Já não há mais azul
Um céu sem demora
Ledo engano, a dor
De mim, vai embora!
Noite sem fim, leve
madrugada, traz Aurora!

Hera R. 10/11/2006


35 - Réu:

E se fazem tristes os olhos
Quando a dor invade a alma
Tecendo na veia a lembrança
É tão azul este céu do amanhã
E o agora se faz forte e fiel!
E se fazem tristes os lábios
Quando a vontade é gritar
Tecendo na voz, reencontro
É tão sozinha a melodia, minha!
E o agora me vem a face imóvel
A chama...
Suplício de quem ama!
Em tua morada, sou réu... Deste amor!

Hera R , 21/10/2007


36 - O primeiro poema:

No vasto mundo
de um mundo insano
me atropelo
me perco
me embriago
me acho
neste mundo insano
onde eu não me engano
mas me desafio
a acreditá-lo!

Hera Ravenna, 28/09/2006

(Por Léa Ferro)
Léa Ferro
Enviado por Léa Ferro em 07/07/2008
Alterado em 07/07/2008
Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários
Contos & Poesias
"A mais que a lua seja bela / serás sempre a bela lua!"
Léa Ferro 1994
Arpoador é um site de literatura independente. Se você quiser contribuir financeiramente, realize uma doação em qualquer valor. Obrigada e boa leitura!