Léa Ferro ~ Arpoador: Contos e Poesias
"A noite é o silêncio que cala o olhar dos amantes!" Léa Ferro 1994
Capa Textos E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Contato Links
Pão da vida:
Textos de Léa Ferro..
..por heterônimo: Hera Ravenna.


1 - Pão da Vida:

A vida e o pão... O pão e a vida!

E a vida se faz em construção, às vezes, pequenos fragmentos de uma obra literária envolta nas cores, na parede da sala, nos olhares luminosos ao anoitecer em melodia, nos pássaros que cantam na manhã, no orvalho na flor no jardim... A vida e o pão, lado a lado, caminhando rumo ao poente.

O pão da vida, pão que alimenta o homem, pão que alimenta a alma, pão que alimenta o céu...
A vida e o pão, em construção, num vôo rasante ao oceano imenso e forte!

A vida que faz o homem sair em busca do pão, o pão que faz o homem sair em busca da vida!

O pão que Cristo repartiu na ceia, o pão que o pai repartiu na madrugada em fome, o pão que faz o espírito se elevar ou se perder, o pão que faz o filho caminhar em outra estrada, o pão que une e separa, o pão que dá vida, o pão que tira a vida, a vida lhe tira o pão!

E a vida se faz em construção...
A alma... Nosso pão da vida!

(Hera Ravenna: 05/10/2006)



2 - Quem somos nós?

A vida é a Morte ou a Morte é a Vida?

Estamos vivos e os mortos são apenas espírito agora!
Mera quintessência!
Estamos vivos, na matéria na carne, no plano físico!
Estamos vivos, na Terra, planeta Terra, planeta água, planeta matéria!
Estamos vivos, pois acordamos todas as manhãs e caminhamos rumo ao trabalho, retornamos para casa ao final do dia, muitos ao final da noite.
Estamos vivos, sentimos a dor física, a dor emocional, batalhamos, produzimos, choramos, sorrimos, brigamos, fazemos as pazes, amamos, odiamos, sentimos desejo e prazer, medo e vontade, glória e perdão, machucamos e somos machucados!

Estamos Vivos??

Já pensou...? Que pode ser tudo ao contrário?
A Vida e a Morte inversa ao que acreditamos, ou simplesmente aprendemos a creditar, pois seria mais fácil assim!
Já pensou...? Que a Terra apenas habita os mortos que pensam estar vivos e o outro plano é onde vivem os verdadeiros viventes e evoluídos do mundo?
De repente, estamos mortos, acreditando estarmos vivos!
Ou Não!
De repente, não há céu nem inferno! Há apenas dois mundos!
O mundo dos vivos e o mundo dos mortos!
Temos medos dos espíritos... Os espíritos têm medo de nós!

Quem somos nós afinal?
A Vida é a Morte! E... A Morte é a Vida!
Ou Não!

(Hera Ravenna, 01/11/2006: 13:23)



3 - O Pássaro azul:

O céu riscado de nuvens anuncia o entardecer...

O pássaro azul sabe que é hora de se recolher junto ao seu bando, mas os instintos sempre se fazem mais forte que as leis, que as regras, que aquilo que parece ser o certo...

“Por que adormecer, se posso voar sobre as águas?!”

E o faz, ao longe, no distante, corta as nuvens, atravessa os medos, equilibra-se em pleno mergulho, num vôo perfeito!

O pássaro azul alça seu vôo mais ousado, voa alto, voa além, voa sentindo o vento abraçar sua alma com imensidão.

Já não tem medo, mesmo que seu bando não compreenda a forma diferente de ser e de enxergar a vida.

Sabe que terá muitos ares a conhecer, muitas terras a desvendar, muitas águas a mergulhar, muitos planos a concretizar... Mas, entre todas as angustias e sonhos, realizar aquele vôo, é o primeiro passo ao conhecimento, o primeiro bater de asas para a evolução, o primeiro grande medo a vencer consigo próprio!

E o faz! Com o coração cheio de esperança, com a voz rouca pela emoção, com os olhinhos vibrantes pela expectativa... O faz, alcançando sua meta naquele poente, tendo o sol em companhia, tendo o mar como amigo, tendo o vento ao seu favor!

O pássaro azul alça vôo, transporta-se para um novo mundo e comemora feliz, num grito de liberdade que ecoa por entre as rochas e faz todo o bando aplaudir de paixão!

Hera R. 26/11/2006
Léa Ferro
Enviado por Léa Ferro em 07/07/2008
Alterado em 07/07/2008
Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários
Contos & Poesias
"A mais que a lua seja bela / serás sempre a bela lua!"
Léa Ferro 1994
Arpoador é um site de literatura independente. Se você quiser contribuir financeiramente, realize uma doação em qualquer valor. Obrigada e boa leitura!