Léa Ferro ~ Arpoador: Contos e Poesias
"A noite é o silêncio que cala o olhar dos amantes!" Léa Ferro 1994
Capa Textos E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Contato Links


Soneto já Sem razão:
 
As portas da dor permanecem abertas em madeira antiga
E as janelas escancaradas trazem ventos frios e secos
Meus lábios se partem e sangram e doem e apavoram,
Minha voz emudecida não cantará versos de amor... O amor fere.
 
Viver já sem razão por ruas desconhecidas debaixo do sol
Não me prepara para a solidão dos teus, tão meus, pesares
Não me iludem as palavras amenas, os sonhos já não me compram
E as janelas batem forte quando a tempestade aumenta.
 
Inda que façamos juras secretas de amor e cumplicidade
Os meus dias reais são nas totalidades, de ausência
Sólida, amarga, fria, cruel, desesperada... Para eu me calar.
 
É inverno e meu coração petrificado pela dor chove lágrimas
Não suporta as condenações humanas desumanas e proibidas
Meu bem eu posso te amar, o que eu não posso é te ter em mim...
 
Léa Ferro. 26-07-2008
Léa Ferro
Enviado por Léa Ferro em 30/03/2015
Alterado em 30/03/2015
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários
Contos & Poesias
"A mais que a lua seja bela / serás sempre a bela lua!"
Léa Ferro 1994
Arpoador é um site de literatura independente. Se você quiser contribuir financeiramente, realize uma doação em qualquer valor. Obrigada e boa leitura!