Léa Ferro ~ Arpoador: Contos e Poesias
"A noite é o silêncio que cala o olhar dos amantes!" Léa Ferro 1994
Capa Textos E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Contato Links
Soneto d’amor fiel:
 
Como pudera amada, amada minha, tu sê-la?
Sem nunca, amada minha, tu ter-me sido
Tampouco, a entrega, tu me prometera
E tão breve, este amor, fora enaltecido.
 
Em tal brevidade, arrastam-se ledos anos
E rangem, ao caminharmos, severas correntes.
Quem nos vir, tomado não será, n’algum engano
D'amor, refletido em nossos olhos displicentes.
 
Como pudera amada, ao beijo, não te teres rendido?
Se me confessas, que te inflamam mil desejos
Que em vão tentara, mas que não fora banido...
 
Do peito, amor que arde, tal qual lampejos
Se nossos castos corpos, num único gemido
Traria simples ventura; a que tanto almejo.
 


Léa Ferro.
03/01/2017



 
Léa Ferro
Enviado por Léa Ferro em 03/01/2017
Alterado em 03/01/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários
Contos & Poesias
"A mais que a lua seja bela / serás sempre a bela lua!"
Léa Ferro 1994
Arpoador é um site de literatura independente. Se você quiser contribuir financeiramente, realize uma doação em qualquer valor. Obrigada e boa leitura!